Notícias

início / Notícias

Evolução do agronegócio

Evolução do agronegócio

No final da década de 1980 o agronegócio brasileiro passou pela Revolução Verde, uma revolução técnico-científica que consistia na disseminação de novas práticas, como a utilização de sementes modificadas e insumos industriais.

Além disso, houve uma melhora nos recursos de irrigação e na mecanização do trabalho, além da criação de uma política de crédito acessível ao produtor e agências governamentais de tecnologia agrícola, como a Emater e a Embrapa.

Com esse desenvolvido, houve uma grande ampliação na produção de espécies como a soja, milho e algodão, além de atingir os setores da pecuária de corte e avicultura, e fez o país passar de importador de alimentos para um dos maiores exportadores.


Os números da última década

Nos últimos 10 anos o agronegócio evoluiu muito no Brasil, ampliando a produção, aumentando a produtividade e chegando ao posto de segundo maior exportador de alimentos do mundo.

Há dez anos, saíam do país 97 milhões de toneladas de grãos e entravam 14 milhões. Hoje, exportamos 128 milhões de toneladas e aumentamos em 3 milhões as importações, totalizando 17 milhões.

Em 2003/2004, a safra de grãos atingia 119 milhões de toneladas em uma área de 47,4 milhões de hectares. Hoje, são produzidas 186 milhões de toneladas em 53,2 milhões de hectares.

Os números dos principais produtos agrícolas, a soja e o milho, são impressionantes. No caso da milho, foram plantados 12,7 milhões de hectares com uma produção de 42 milhões de toneladas na safra de 2003/2004, uma produtividade de 3 mil quilos por hectare.

Já na safra de 2018/2019, houve produção de 91,2 milhões de toneladas em uma área de 16,65 milhões de hectares, com uma produtividade média de  5.476 quilos por hectare. No caso da soja, em 2003/2004 foram plantados 21,3 milhões de hectares, com uma produção total de 49,7 milhões de toneladas e 2,3 mil quilos por hectares. E a safra de 2017/2018 superou 35 milhões de hectares cultivados, com produtividade média de 3,4 quilos por hectare numa produção total de 119,28 milhões de toneladas.

Outros destaques atuais são o algodão em pluma, com dois milhões de toneladas, o feijão (3,18 milhões de toneladas), o arroz (12,07 milhões de toneladas) e o trigo, cultivado no inverno e atingindo 5,14 milhões de toneladas. Dados da safra de 2016/2017.

Cresce a exportação junto com a produtividade

Com um crescimento médio de 4,8% na produtividade anual ao longo dos últimos 40 anos, as exportações do agronegócio também cresceram.

Em 2017, a soma da exportação brasileira do agronegócio foi de US$ 96 bilhões, sendo a área responsável por 44,1% do total de vendas externas do Brasil e correspondendo a 23,5% do PIB do país.

Os mercados consumidores brasileiros já chegam a 150 países de todos os continentes, sendo os principais a China, Estados Unidos, União Européia e Japão.


A tecnologia a favor do agronegócio

Com os dados apresentados, podemos observar que a área plantada não aumentou muito, apesar do grande aumento da produção.

O diferencial de hoje comparado às décadas anterior é em relação a produtividade por hectare, que se deve aos investimentos  realizados em tecnologia, seja em maquinários, melhoramento genético de sementes e o uso da agricultura de precisão.

Podemos concluir que daqui a 10 anos a produtividade dos campos brasileiros terão números realmente grandioso, cumprindo com  o objetivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de aumentar a participação do Brasil nas exportações mundiais de alimentos de 7% para 10% em cinco anos.

É o agro mostrando a sua importância para o país!